Como eu planejo meu processo de escrita (e algumas outras indicações de técnicas para escrever seu livro)

Na publicação sobre o Ciclo de Vida do Produto e a teoria da Cauda Longa falei um pouco sobre o meu planejamento de escrita. Ele é basicamente o seguinte:

3 meses = 90 dias = 60 dias úteis
  1. 5 dias de descanso
  2. 5 dias de planejamento
  3. 45 dias de escrita
  4. 5 dias de edição/revisão
Meus livros tem entre 100 e 150 páginas do word - não gosto de histórias longas e meu planejamento se encaixa nisso. Então dividindo meu máximo pelos dias que tenho, são 3,3 páginas de word. Logo minha meta são 10 mil caracteres com espaços.

Já comentei com algumas pessoas sobre isso e o comentário seguinte é sempre como eu posso parametrizar esse tipo de produção, mas na verdade é que matemática, planejamento e criatividade andam de mãos dadas para mim. Vou dividir novamente como funciona para mim e algumas técnicas que aprendi ao longo do caminho.

Tenha um argumento bom e que não seja curto: histórias surgem na minha cabeça aleatoriamente, as vezes com gatilhos de livros, filmes, coisas que eu vivi ou me contaram. Elas só aparecem, então coloco no papel e amadureço elas. A fase da maturação é interessante porque preciso de que o plot dure, ele não pode se resolver em pouquíssimos capítulos.

Como saber que o argumento é bom? Eu sento e escrevo que vai acontecer a partir dali em frases e em formato temporal - ou seja, o que acontece, como acontece e em que ordem. Se sair mais de 20 frases eu tenho uma história. Se eu gosto mas é menor, sai um conto - já escrevi alguns deles.

Então tenho as frases de evento, e decido abri-las, explicando com mais detalhes o que acontece ali dentro. Por quê? Porque isso minhas amigas, são seus  capítulos. Em média, meus livros tem de 20 a 30 capítulos, o que dá de três a cinco páginas por capítulo. Guardem essa informação.

Então eu pego de novo minha estrutura e escrevo os pontos de virada da história, ou seja, os grandes fatos que eu preciso que aconteçam: alguém reaparece? alguém morre? alguém casa? alguém sofre um acidente? A partir disso, eu escrevo os arcos. O que significa que vou agrupar os capítulos em mini-fatos do livro inteiro. Por exemplo? O tal acidente dura quantos capítulos? E a morte da pessoa, vai refletir em quantos capítulos?

Para que isso tudo? Para não ficar chato. Para não virar um livro enrolão que não vai a lugar nenhum. então fazendo um desenho simples para vocês entenderem.



Isso me ajuda também a evitar o bloqueio, porque quando escrevo o que eu quero em cada capítulo, já tenho uma noção de como desenvolver aquela parte da história. Então quando não estou funcionando para uma parte do livro, eu vou para outra e escrevo a partir dali, ou escrevo um pouco ali e volto depois. Evito parar e perder o costume de escrever.

Mas eu não sou dona da verdade, galera! Tem mil e uma técnicas para ajudar a escrever seu livro com planejamento. A Tatiana Mareto, por exemplo, sempre fala em seu blog sobre técnicas, como estas para escrever melhor ou como escrever um bom clímax (ou meu ponto de virada) da história.

Além disso, temos outras que muitas pessoas conhecem, como:

O meu método é muito inspirado no Outline. A técnica de "esboçar" antes de escrever. Neste blog tem um exemplo bem legal de como funciona. Este outro abre para a técnica do floco de neve, que igualmente rascunha e ajusta as informações até escrever o livro completo.

Tem também o mind map (o mapa mental), que traz umas imagens lindonas como estas. É um sistema de organização e correlação de fatos. Tem uma explicação sobre o que é aqui.



Outra técnica famosa é a da Jornada do Herói ou monomito, um conceito de jornada cíclica presente em um milhão de histórias. Aqui você pode ler mais sobre, mas basicamente, há 12 etapas da história, são elas:

  1. Mundo Comum - O mundo normal do herói antes da história começar.
  2. O Chamado da Aventura - Um problema se apresenta ao herói: um desafio ou a aventura.
  3. Reticência do Herói ou Recusa do Chamado - O herói recusa ou demora a aceitar o desafio ou aventura, geralmente porque tem medo.
  4. Encontro com o mentor ou Ajuda Sobrenatural - O herói encontra um mentor que o faz aceitar o chamado e o informa e treina para sua aventura.
  5. Cruzamento do Primeiro Portal - O herói abandona o mundo comum para entrar no mundo especial ou mágico.
  6. Provações, aliados e inimigos ou A Barriga da Baleia - O herói enfrenta testes, encontra aliados e enfrenta inimigos, de forma que aprende as regras do mundo especial.
  7. Aproximação - O herói tem êxitos durante as provações
  8. Provação difícil ou traumática - A maior crise da aventura, de vida ou morte.
  9. Recompensa - O herói enfrentou a morte, se sobrepõe ao seu medo e agora ganha uma recompensa (o elixir).
  10. O Caminho de Volta - O herói deve voltar para o mundo comum.
  11. Ressurreição do Herói - Outro teste no qual o herói enfrenta a morte, e deve usar tudo que foi aprendido.
  12. Regresso com o Elixir - O herói volta para casa com o "elixir", e o usa para ajudar todos no mundo comum.